Logo do Governo
CCBJ INDICA: A Associação Zumbi Capoeira (AZC) Espaço Cultural Mestre Lula, lança campanha de arrecadação para reforma e ampliação da coberta da quadra onde são realizadas as atividades do equipamento.

A Associação Zumbi Capoeira (AZC) Espaço Cultural Mestre Lula, é uma Instituição parceira do Centro Cultural Bom Jardim, tendo participado de diversas atividades no equipamento, enquanto grupo e por meio de seus mestres Carla e Lula que atuaram como professores em cursos e práticas formativas da Escola de Cultura e Artes do CCBJ. Além de serem nossos parceiros, já foram contemplados no edital de Manutenção de Grupos Artísticos, no período em que participaram, destinaram o recurso  do edital para a reforma desse espaço, onde hoje funciona a sede, com reparos nos pisos, paredes e até com a reformulação dos banheiros do equipamento.

O grupo que já existe 1983, sob o comando da Mestra Carla e Mestre Lula, encara agora uma nova empreitada na busca por uma ampliação das atividades executadas na sua sede e como consequência disso, ampliar também o número de crianças, jovens e adultos atendidos no espaço.

A campanha que se iniciou no último em janeiro (23), com uma roda de capoeira no núcleo Conjunto Esperança, vai contar com uma vaquinha online e acontecerá até 14 de março, com o objetivo final de arrecadar R$15.000,00 (quinze mil reais), subsídio que irá garantir a construção de uma coberta para a quadra onde acontecem as rodas de capoeira, oficinas, vivências culturais e rodas de conversa.

Com essa nova estrutura será possível ampliar os horários de funcionamento e execução de atividades que atualmente acontecem apenas no período noturno, sol e chuva são obstáculos comuns e que impedem o atendimento nos períodos da manhã e tarde.     

Atualmente a AZC atende cerca de 250 crianças, adolescentes e adultos, apenas o equipamento sede localizado no bairro Granja Lisboa tem um público assíduo de aproximadamente 160 pessoas, mesmo tendo seu funcionamento reduzido, atendendo e realizando as atividades apenas no período noturno. 

São desenvolvidas atividades culturais, com coletivos de mulheres, oficinas, reuniões, rodas de capoeira entre outras coisas, em dias de semana e fins de semana. 

Com a ampliação do espaço é esperado um impacto significativo no aumento das ações realizadas bem como no número de pessoas que frequentam o local, daí a necessidade e a importância dessa reforma, não apenas para o equipamento como também para a comunidade que a abriga.  

Sobre a AZC

“Capoeira é também filosofia de vida e dentro dessa ótica nós pregamos e prezamos pelo trabalho social, pela formação humana na verdade, dentro desta abertura trabalhamos para que nossos capoeiristas sejam seres humanos melhores, sejam críticos”. Essa é a fala da líder do movimento cultural, Mestra Carla.

Fundada em 8 de agosto em 1983 pelo Mestre Lula e liderado também pela Mestra Carla, a AZC possui atualmente 7 núcleos de atuação sendo 6 em Fortaleza com duas unidades no bairro Granja Lisboa, os demais estão nos bairros Pirambu, Jerusalém, Presidente Vargas, Praia de Iracema e na região metropolitana um núcleo em Caucaia. 

“Se você for olhar os nossos espaços hoje, em Fortaleza, eles são todos periféricos. Nós estamos só dentro da periferia de Fortaleza  e eu acho que isso é missão né” reforça Mestra Carla.

A referência para o nome AZC também vem de grandes nomes como o Mestre Everaldo. “Subir com essa referência, desse homem negro, que uniu vários outros e outras equipes aqui, é um honra e louvor pois ele criou estratégias de sobrevivência, de busca de liberdade. É nesse sentido que a gente aqui, tem esse nome zumbi, que traz tão forte essa história e a gente tem orgulho e muita responsabilidade em trazer essa identidade”, comenta.

Como Doar

Para participar da Campanha é possível fazer doações através do Pix da instituição 31.728.131/0001-13 ou através da vaquinha virtual no link https://www.vakinha.com.br/4412287. Acompanhe as ações da AZC no Instagram, Facebook e YouTube.

O Centro Cultural Bom Jardim, da Rede de Equipamentos da Secretaria da Cultura do Ceará (SECULT), gerido pelo Instituto Dragão do Mar (IDM), está com uma programação especial de carnaval, de 07 a 09 de fevereiro. Durante a programação o público poderá participar de oficinas e  brincadeiras com destaque para as atrações artísticas dos dias 08 e 09 nos shows de Fabiano Brandão e Banda, Grupo Mais Melanina e Roda de Samba com Sambomja.

No dia 08 de fevereiro, a partir das 19h, Fabiano Brandão e Banda vão apresentar na Praça Central do CCBJ, o show AXÉ, o Ritmo Que Nos Une, um espetáculo montado exclusivamente para enaltecer a pluralidade musical do Nordeste trazendo a identidade carnavalesca nas músicas. Fabiano é cantor, produtor artístico e performer, transita entre estilos e sonoridades utilizando a irreverência para compor uma performance energética nos palcos.

Fabiano Brandão

Já no dia 09, o Grupo Mais Melanina dá início a noite de shows às 19h, no Espaço Marielle CCBJ trazendo a apresentação Minha Pele, Meu Legado, que traz releituras de clássicos do reggae, flertando com sambas e pagodes que fizeram sucesso no passado e estão na memória afetiva do público, com destaque aos intérpretes pretos e pretas da música brasileira. Na sequência e encerrando a noite, o Grupo SamBomja, nascido das ruas do Grande Bom Jardim, chega às 20h, na Praça Central com uma Roda de Samba, trazendo um olhar periférico e cantando grandes nomes do samba raiz, sobretudo das mulheres pretas do samba brasileiro.  

Confira a Programação 

Dia 07/02

  • 15h – Customização de máscaras – Maracatu Cearense 
    Sala Multiuso
  • 18h30 – Personalizando fantasias 
    Espaço Paulo Freire

Dia 08/02

  • 15h – Criação de standards: Bloquinho dos direitos 
    Sala Multiuso
  • 17h – É no meio da rua que se brinca 
    Espaço Marielle CCBJ
  • 19h – Fabiano Brandão e Banda – Axé: o Ritmo que Nos Une
    Praça Central CCBJ 

Dia 09/02

  • 19h – Grupo Mais Melanina – Minha pele, meu legado
    Espaço Marielle CCBJ 
  • 20h – Grupo SamBomja – Roda de Samba
    Praça Central CCBJ 

Serviço:
Programação de Carnaval CCBJ
De 07 à 09 de fevereiro 
Local: Centro Cultural Bom Jardim (Rua Três Corações, 400)

A instalação cênica “Vagalumes” estará presente no Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ), equipamento da Rede Pública de Equipamentos da Secretaria de Cultura do Ceará (Secult CE), gerido pelo Instituto Dragão do Mar (IDM), na próxima sexta-feira, 26. A apresentação terá início a partir das 13h00, no Teatro Marcus Miranda, compondo a primeira Solicitação de Pauta do CCBJ em 2024.

A artista e docente Caroline Holanda conta que idealizou o projeto a partir da sua infância. Quando criança, ela ficava encantada com as pequenas luzes que via quando os vagalumes acendiam. “Vagalumes” resgata esta memória de infância e o ritmo que a vida costumava ter quando era criança.

“O projeto é uma tentativa de compartilhar esse outro ritmo, um pouco mais calmo, mais contemplativo, que vem dessa memória de infância”, conta Caroline. A atração será dividida entre quatro sessões e seguida de uma roda de conversa. Além da artista, a instalação cênica conta com vagalumes feitos a partir de tecnologia mecatrônica.

A roda de conversa será um momento de compartilhar o processo de construção e de discutir questões suscitadas pelo projeto. “Os vagalumes estão desaparecendo porque a humanidade ainda não aprendeu a viver em coletivo”, afirma Caroline Holanda.

Ao mesmo tempo em que aborda questões socioambientais, a artista avalia que a instalação “tenta trazer um pouco da mágica dança lumínica dos vagalumes, que nos lembra, que somos como eles, e a cada luz que se apaga aqui, volta a existir ali”.

Sobre a artista

Caroline Holanda – Diretora-coreógrafa de coisas, espaços, robôs, máquinas, bonecos e pessoas. Construtora. Técnica-criadora. Articula Teatro de Animação, Dança/circo contemporâneos e Tecnologia – mecatrônica e multimedial, na composição de espetáculos ou instalações.

Estudou Magie Nouvelle no CNAC(França). Técnica em Telecomunicações – IFCE. Graduação em Pedagogia – UECE. Especialização em Teatro de Lambe-Lambe – UNCAL (Argentina), Mestrado em Teatro – de Animação – UDESC e foi docente universitária nos cursos de Teatro da UNIFOR e do curso de Dança da UFC.

Serviço:

Instalação cênica Vagalumes

Data: 26/01

Horário: a partir das 13h

Local: Teatro Marcus Miranda – Centro Cultural Bom Jardim (Rua Três Corações, 400)

Visando a segurança  das pessoas e a preservação do patrimônio, o  Centro Cultural Bom Jardim, da Rede de Equipamentos da Secretaria da Cultura do Ceará (SECULT), gerido pelo Instituto Dragão do Mar (IDM) iniciou em janeiro deste ano, o projeto de Prevenção e Combate a Incêndio,  seguindo diretrizes do projeto aprovado pelo Corpo Bombeiros Militar do Estado do Ceará – CBMCE, a se realizar durante 90 (noventa) dias. A empresa responsável pela realização do serviço é a CM Engenharia Ltda e está com o canteiro de obras instalado.

O sistema de proteção contra incêndios é fundamental para os protocolos de prevenção e evitar elevados custos,  em caso de possível incêndio. A intervenção passa pelas instalações da central de alarme, placas de sinalização, luzes de emergência, rede de hidrante, bomba e mangueiras de combate a incêndio entre outros acessórios.

A Supervisão de Infraestrutura do CCBJ, representada por Naldo de Freitas, explica sobre a condução e as garantias dessa intervenção. 

“Os trabalhos de escavação que estão sendo realizados no CCBJ, se faz necessário para passagem das tubulações para a rede de hidrantes, os cabos do sistema de alarme e os cabos das luzes de emergência. Tudo isso para o funcionamento do sistema de combate a incêndio” afirma o supervisor. 

Com a implementação do sistema de combate a incêndio, a instituição obterá o Certificado de Conformidade do Corpo de Bombeiros. O certificado de conformidade vai dar a garantia de que o prédio e todas as salas estarão protegidos com a segurança necessária para combater qualquer incêndio logo no início.

Depois da conclusão dos serviços, os testes necessários do sistema de combate a incêndio serão realizados,  estando tudo em conformidade, o Corpo Bombeiros será acionado para visita técnica ao Centro Cultural e realização de uma vistoria. O certificado de conformidade só é emitido quando a vistoria atende aos parâmetros do Corpo de Bombeiros.

O CCBJ continua com todas as suas atividades, serviços e programações, dentro do horário de funcionamento normal de segunda a sábado, das 8h às 21h.

A previsão de término da manutenção é para abril deste ano e até lá o equipamento segue seu funcionamento com as devidas sinalizações aos frequentadores do Centro.

O Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ), equipamento da Rede Pública de Equipamentos da Secretaria de Cultura do Ceará (Secult CE), gerido pelo Instituto Dragão do Mar (IDM), recebe apresentação artística-cultural dos povos originários Fulni-ô Thynya Thudya nesta quinta-feira, 11, às 19h, com os rezos, cânticos sagrados, cafurnas e sambas de coco Fulni-ô e feira  de artesanato e produtos feitos povo  Fulni-ô.

Por meio de sua Ação Cultural, o CCBJ promove o momento de difusão e valorização da arte e cultura dos povos originários do Nordeste, compondo o programa Jardim de Possibilidades, com o intuito de colaborar para o debate acerca da preservação da mata e da importância da cultura e da arte desses povos para a formação cultural do Brasil.

O guerreiro Fulni-ô, Caique Fulni-ô, que estará presente no CCBJ, nesta quinta-feira 11 de janeiro,  conta para a equipe de comunicação do CCBJ, mais detalhes da sua passagem pelo território. “Gostaria de agradecer a abertura do CCBJ e da produtora Luciana, que vem fortalecendo nosso trabalho. É muito gratificante mostrar nossa cultura aqui no Ceará, cultuar nossos ancestrais a cada apresentação, valorizando nossa etnia e nosso idioma  Ia-tê. Vamos cantar Furna com nosso maracá e danças, depois vai ter muito coco e além de tudo estaremos expondo nossos produtos na feira, durante a apresentação”.

A produtora do CCBJ, Luciana Brilhante, mencionada pelo guerreiro Caique, relata sobre a aproximação dos povos originários com o CCBJ. “É muito importante promover programações culturais que valorizam a cultura, modo de vida e arte do nossos povos originários, primeiros habitantes do território brasileiro que contribuíram na nossa formação cultural, e que ainda hoje sofrem com genocídio, epistemicídio e desvalorização da sua cultura”.

Ela reforça em sua fala a importância da honra aos nossos ancestrais. “ Em tempos de marco temporal é urgente não esquecer nossas raízes e ancestralidade e não só no dia 19 de abril que é comemorado o dia do “índio” que acaba reforçando a imagem caricatura do senso comum. É importante trazer para as escolas, os equipamentos culturais, para a mídia outra imagem que valorize as várias etnias e o CCBJ vem trabalhando nesse intuito”.

O povo da beira do rio 

Os indígenas Fulni-ô Thynya Thudya vivem em Águas Belas, município localizado em Pernambuco, onde fica a reserva indígena do grupo e o rio Ipanema. Ia-tê é a língua nativa dessa etnia que, embora também fale português, é parte dos únicos povos originários que conseguiram manter viva sua língua.

Além do idioma, o ritual Ouricuri também é parte da cultura e tradição mantidas em atividade pelo povo Fulni-ô. Todos os Fulni-ô que trabalham fora de Águas Belas, como funcionários, professores, policiais, pedem licença para se ausentar do trabalho durante a primeira semana do ritual e se concentrar na aldeia do Ouricuri; os que podem aí permanecem sem sair durante todo o ritual.

O ritual Ouricuri inicia-se nas últimas semanas de agosto e tem duração de 14 semanas. A tradição repleta de ritos religiosos, entretanto, é mantida em sigilo pelos fulni-ôs.

A atual estrutura social Fulni-ô é a reunião de cinco outras aldeias: Carnijó, Tapuia, Folá, Foklasa e Cariri, todas falantes de sua língua nativa Ia-tê. Dedicados à preservação de sua cultura e seu dialeto, este povo considera indígena Fulni-ô apenas aqueles indígenas que atendem ao ritual Ouricuri desde jovens e que falem a língua Ia-tê.

Por meio de sua Ação Cultural, o Centro Cultural Bom Jardim atua no eixo da difusão cultural, tendo como um de seus objetivos centrais valorizar a diversidade cultural por meio da participação e interação entre diferentes públicos. A apresentação artístico-cultural do povo Fulni-ô Thynya Thudya estreita os laços do equipamento com a causa dos povos originários e mantém firme a sua contribuição para a diversidade cultural no Grande Bom Jardim.

SERVIÇO: 

CCBJ recebe povos originários do PE – Fulni-ô Thynya Thudya 

O que: apresentação artística com rezos, cânticos sagrados, cafurnas e sambas de coco Fulni-ô e Feira  de artesanato e produtos feitos povo  Fulni-ô.

Quando: 11 de janeiro de 2024.

Horário: a partir das 19h.

Onde: Praça Central CCBJ (Rua Três Corações, 400, Bom Jardim)

Acesso gratuito e classificação indicativa livre.